Arco-íris, anjo rebelde

monnloo

Mas que teu corpo ao lado do meu quero tua alma, quero tua calma, quero tua vida. Suas palavras que cantam risos em meus ouvidos e tocam belas músicas em minha pele, com a ponta dos dedos que você mexe em meus cabelos.

Como se fossem brinquedos os dias divertem o coração, que insiste em bater por tua respiração. Teu ar sai colorido de falas de brisas, de choros contidos, de lágrimas de alegria.

Até os meus olhos cansarem de emoções, meu peito pedir calma para o repouso e, assim, sereno, deixar teu corpo deitar ao lado do meu. Enfim o sono.

Você na tua cidade, eu na minha.

Nossas energias em laços. Nossas almas em abraço.

 

Foto: Tumblr.

Relacionamento: com o passar dos anos…

11948220_10204252313220556_1321649609_n

Algumas coisas a gente só descobre depois que namora por alguns longos anos, talvez coisas que suas amigas jamais contarão, ou se contarem você dificilmente acreditaria!

Com o passar dos anos, as manias dele começam a ser as suas também.

A ex-namorada dele passa a ser somente a ex-namorada dele e nada mais.

Só pelo tom do bom dia dele você sabe como será o restante do dia. Às vezes, uma boa noite de sono juntos depois de um dia longo, de trabalho ou até mesmo de

diversão será tão boa quanto uma noite quente.

Ir ao banheiro na casa do parceiro não vai ser mais o fim do mundo!

Você vai perceber que mesmo se ficar de pijama ou sem maquiagem o

dia todo, você continuará sendo a princesa dele.

Sair todo final de semana não será tão necessário assim.

A saudade vai se tornar algo necessário de vez em quando.

Cada um pega seu prato ou quando um cozinha, o outro lava!

Com o passar dos anos vocês começam a dividir os mesmos sonhos e objetivos, mesmo que não sejam os mesmos, vocês compreenderão e se apoiarão para as conquistas chegarem.

Com o passar dos anos, você ganha muito mais que um relacionamento,

quem está ao seu lado vira seu protetor, seu melhor amigo, seu confidente e porto seguro.

Com o passar dos anos o relacionamento amadurece você olha para trás e vive a certeza de que encontrou a pessoa certa.

Meu passado me condena: o mendigo que quis roubar minha marmita

Eu juro por Deus que tem coisas nessa vida que só acontecem uma vez na vida e elas acontecem comigo.
Quando eu tava no último ano do Ensino Médio, eu passei na prova da Prefeitura de Pindamonhangaba e fui fazer estagio na secretaria de saúde.
Como eu morava muito longe do centro, e estudava de manhã, não dava pra ir em casa almoçar e eu tinha que levar marmita. E claro que eu levava pra escola numa sacolinha da boticário e deixava a sala inteira cheirando arroz feijão e bife a milanesa, mas isso não vem ao caso.

3nbm6i
Certo dia, saindo da escola, fui com meus amigos na praça do cruzeiro pra passar o tempo até dar a hora de ir pro estágio.
Voltando de lá, eu e minha marmita na sacola do boticário, passei perto da Lojas Cem™ e tinha um mendigo sentado.
Qual nao foi minha surpresa quando o mendigo JUNTOU NA MINHA SACOLA E PEGOU MINHA MARMITA?
EU JURO, eu fiquei em choque e depois de 2 segundos paralisada eu comecei a gritar “PELO AMOR DE DEUS DEVOLVE MINHA MARMITA! É O ÚNICO ALMOÇO QUE EU TENHO! MINHA MÃE VAI ME MATARRRRRR”
Aí que o mendigo devolveu minha marmita e disse “toma, vc ta pior que eu”

Fim.

Meu passado me condena: aprontando no coral da Igreja

Olá mores, a história de hoje é baseada em fatos reais e mais uma vez mostrando que eu sempre estive no caminho certo, na religiosidade, porém sempre enfiando o pé na jaca de uma forma ou de outra! Vamos la?!large

Há 13 anos eu moro num bairro que chama Santa Terezinha, vim para cá quando tinha 10 anos, e logo que me mudei continuei a fazer catequese no salão da Igreja Santa Terezinha. Confesso que era algo que eu gostava, foi lá que a pela primeira vez  um menino falou que gostava de mim, eu me achava! Eu era o primeiro amor de alguém, hahahahah!

Voltando ao foco, a professora da catequese ao fim de uma das aulas falou sobre o coral que tinha na missa, se alguém se interessava em participar, e quem quisesse levava o bilhete embora para mãe assinar, pois bem, assim fiz, afinal porque que não poderia fazer parte do coral e mais para frente uma carreira solo? Ou em dupla, afinal não posso me esquecer que minha irmã também fez parte disso tudo, ou quase tudo.

Pois bem, o coral era demais, tinha coreografias, nós que animávamos as missas, era lindo, minha mãe e meus avós sempre estavam lá para ver eu e a minha irmã cantar, louvar e soltar  a voz!

Num sábados desses qualquer, eu acordei bem dá pá virada, e fui para mais uma aula  da catequese e em seguida teria o ensaio do coral pois a noite teria mais uma missa e eles com certeza esperavam que a gente estivesse com as músicas na ponta da língua (só para constar que estou escrevendo e cantando as músicas que eu cantava no coral). Continuando a aula, já fomos direto para a igreja onde era realizado o ensaio, porém somente eu e a minha irmã fazíamos parte do coral, o resto dos alunos não se interessaram, as outras pessoas que faziam parte do coral eram todas mais velhas e já moravam no bairro há muito mais tempo que a gente. Isso não importa, eu não gostava de nenhuma delas mesmo. Poi  bem, para minha sorte ou não a igreja estava aberta e ainda não tinha chegado ninguém, o que deu muito tédio.

Eu e a minha irmã sentamos no banco e começamos a conversar e blá blá, até que eu olhei para frente e vi que a sala onde ficava guardada a roupa do padre e as hóstias estava aberta.

Ainda lembro que a minha irmã me mandou parar e não seguir em frente, mas como eu disse, eu estava no sábado da pá virada, entrei na sala e comecei a olhar, não achei nada de interessante a não ser um pote cheio de hóstias e eu estava com muita fome, pois bem  foi lá mesmo que abri aquele pote e comecei a comer todas as hóstias. A história poderia acabar aqui se não fosse o fato das meninas chegarem e a  minha irmã não conseguir me avisar. Fui pega, fui suspensa!

As hóstias não estavam bentas, então teoricamente e praticamente não era o “corpo de cristo”. Fiquei sem ir no coral por semanas  depois não retornei mais, não me lembro até hoje se foi por vergonha ou se logo pequena já sabia que cantar não era um dos meus dons.

Se o passado me condena? MUITO!

Sai da tela

vulgar

“Somos todos pela mesma causa!”

“Não estamos sozinhos!”

“Sua opinião não me importa!”

“Vamos desconstruir teu preconceito!”

“Não toleramos babacas graduados, machista!”

Muita frase de impacto. Pouco impacto, realmente.

Muitas palavras que formariam belos teatros. Poucos teatros, realmente.

Muita capacidade limitada aos caracteres intelectuais, nas redes sociais.

O mundo nem se compara a uma tela.

As intervenções são válidas em todos os lugares, mas os sentidos são completos quando são reais. Quando as palavras têm som.

Quando as cores têm textura e os sons têm cor.

Lute pela sua causa além da tela. Una-se em física. Segurem as mãos.

 

Foto: “Vulgar e sublime” – Laura Reis , Raposa d’Oeste.

Crédito: B. Walker Photography

11 marcos da adolescência na primeira década de 2000

The-OC

Nós temos 20 e poucos anos e ainda somos jovens. Nossa adolescência acabou há mais ou menos cinco anos, mas, com a velocidade de informação do mundo atual, bastante coisa mudou, e mesmo que não faça tanto tempo assim, a primeira década dos anos 2000 já deixou saudade nos nascidos no início de 90 e que puderam aproveitar essa época.

Já que quem nasceu nos anos 70 e 80 tem um monte de histórias pra contar, nós também temos a nossa. Não participamos do movimento hippie, grunge, mas tivemos nossa própria época, que foi muito boa obrigada.

Eu nasci em 1991, então, aproveitei muito a primeira década do milênio, e fiz uma lista inspirada no post da Vic do Borboletando sobre os anos 90, pra fazer a minha sobre os anos 2000. Venham sentir saudades comigo?

 

1 – Séries de TV

As séries adolescentes tiveram uma influência muito grande nos anos 2000. Claro que elas já existiam nos anos 90, mas graças a popularização da tv por assinatura elas ficaram mais famosas, e pra quem não tinha tv a cabo, o SBT exibiu muitas delas que marcaram a minha geração.

The-OC (mais…)

Meu passado me condena: mandei carta pro quadro “um dia de princesa”

Que Bruna e Talita não leiam isso, mas eu tenho que contar. Quando tínhamos 10, 11 e 12 anos, respectivamente, a febre do momento era o Br’Oz, aquela boyband formada no reality show Popstars, e que cantava aquela música maravilhosa “sim sim sim, esse amor é tão profundo”.

Os caras rebolavam pra caramba, era gatinhos na época, claro que nós nos apaixonamos e compramos poster, cd, adesivo pra colar no caderno e tudo mais. Meu preferido era o Felipe kkkkk nossa o mai feio.

image

Sim sim sim, esse amor é tão profundo

E claro que não contentes em sermos equivalentes as beliebers dos Br’Oz, nos escrevemos uma carta pro Gugu pra ter um dia de princesa com o Br’oz HAHAHAHAHHAHAHAHHAHA SIM, NÓS ESCREVEMOS.

E A CARTA ERA PERFUMADA, ALÉM DE TER VÁRIAS MARCAS DE BATOM VERMELHO HAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAHAHAHHAHA RESPIRA.

A gente pegou o endereço do SBT numa revista Capricho e postamos sem nossas mães saberem.

Depois de postada, TODAS AS TARDES, TODAS, TODASSSS as tardes nós ficávamos sentadas no portão da minha casa esperando eles chegarem. Foi assim por quase um ano.

Ainda bem que eles não vieram pq já pensou o mico de TER UM DIA DE PRINCESA DO DOMINGO LEGAL COM O BR’OZ????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Obrigada Deus por não permitir isso.

Meu passado me condena: quando Jesus piscou pra mim

Já pode começar o post agradecendo?! Gente, obrigada, vocês que me acompanham. Recebei vários recadinhos via inbox de pessoas que passaram pela mesma situação que eu no colégio sendo miss feia, ou sofrendo algum tipo de bullyng, foi bom saber que podemos compartilhar das mesmas histórias mesmo sem nos conhecermos pessoalmente!

O papo está bom, mas preciso contar mais um capítulo do “Meu Passado me Condena”.  A história de hoje é curta, não sei se considero assustadora ou engraçada, então vamos lá!

tumblr_lj5bovprge1qfz2swo1_500

O dia em que Jesus Cristo piscou pra mim!

Nunca fui uma criança quietinha e comportada, pelo contrário, eu era birrenta, escandalosa e bem que merecia uns belos safanões que não adiantavam de nada, pois eu não ligava e no outro dia fazia igual ou pior. Pois bem, só queria deixar isso registrado.

Enfim, vamos ao causo: minha família é católica, inclusive eu também, não somos do tipo fanáticos, temos nossas crenças assim como todas as famílias, ou a maioria delas, e assim começa a história. Quando eu tinha por volta dos 6, 7 anos, minha mãe como sempre fazia, e faz até hoje, decidiu passear comigo e com a minha irmã por essa cidade maravilhosa onde eu moro, Aparecida, mais conhecida como Aparecida do NORRRTE. Pois bem, fizemos o passeio pela cidade, tomamos sorvete, tirais fotos no pônei, dia lindo, maravilhoso.  Lá por volta das 18h fomos até a Igreja Velha, a antiga matriz da cidade. Eu não me lembro qual dia da semana era, mas me lembro que ela estava bem cheia para a missa. Apesar de termos chegado um pouco antes do inicio da missa, a igreja já estava cheia e com poucos lugares.

Até ai tudo bem? Tudo, se não existisse os “poréns” da vida. Gente, naquela igreja tem uma imagem de Jesus Cristo em tamanho real, deitado em uma caixa, acho que na verdade uma redoma de vidro.

Estava tudo ótimo se não fosse o fato de os únicos lugares que tinham para eu minha mãe e minha irmã sentarmos era ao lado da redoma onde está a imagem tamanho real de Jesus.

Minha irmã sempre muito boazinha, uma calmaria de criança, nem deu bola para aquela imagem, já eu enchi minha mãe de perguntas: é de verdade? Ele sai dali? Se eu falar ele responde? Coisas de crianças, né gente? Pois bem, “Em nome do Pai, do Filho…” começou a missa e minha mãe logo disse pra mim: silêncio agora! Ótimo, eu muito educada respeitei até que olhei para Jesus e vi ele piscando pra mim. Como ele poderia ter piscado se minha mãe falou que não era de verdade? Puxei a blusa da minha mãe apontando pra imagem e falei: Mãe, Jesus piscou pra mim!” Minha mãe não me deu bola e falou: “xiu, silêncio.’’. Mantive silêncio por mais alguns minutos pois eu tentava não olhar pro lado da imagem, até que olhei de novo e JESUS PISCOU PRA MIM!

Ah, me desculpem todos os fiéis daquele dia, mas eu aprontei um berreiro, só lembro que eu falava: VAMOS EMBORA MÃE, JESUS TÁ PISCANDO PRA MIM! Repetia isso por muitas vezes e minha mãe muito sem graça e até a minha irmã, aquela criança boazinha falava: “não chora, ele não pisca.” Minha mãe e minha irmã tentaram me acalmar, mas só quando minha mãe muito sem graça me pegou no colo e saiu comigo e com a minha irmã de dentro da igreja eu fiquei quieta.

Eu parei a missa? Parei! Mas eu era uma criança. Até hoje eu lembro dessa história e não tenho muita animação para ir na basílica velha, será que até hoje tem essa imagem lá?!

Não sei se Jesus piscaria de novo pra mim, mas naquele dia piscou!

Acho que esse é um dos piores “MEU PASSADO ME CONDENA” que vou cotar para vocês.

Beijinhos!

Peito aberto

large (29)

Há noite em que o sono entra num táxi e vai embora. E você fica na janela, olhando o sol nascer, o sono te esnobar e o peito começar a trincar como um espelho amaldiçoado. Geralmente, o dia que sucede essa noite, começa com teu bom humor entrando em um outro táxi, mandando beijos pela janela e vibrando estar longe de ti, quando o carro vira a esquina.

Há tarde em que o sol brilha demais e de menos, ao mesmo tempo. A barriga dói de fome e o estômago está enjoado de comer. A garganta quer gritar e o seu corpo dormir. De preferência pra sempre. Chorar pra nada, pra tudo.

Deixa doer, deixa passar, deixa viver. Deixa estar.

Deixa porque as vezes tem como sair. Sumir. Que bacana seria fugir e só ir.

Sorrir.

Porque no fundo tem uma chama que aquece, conforta e desata todos os nós. Entra no incêndio, apaga todo o fogo e deixa só aquela brasa. Deixa só o seu amor.

Boa noite.

Sobre saudade

large

Chega uma hora que a saudade transborda, que a lágrimas rolam, mas aí a gente respira e pensa: vai passar. É ai que percebe que a distância não é tão longe assim, que a saudade dói mas cessa, que os dias até demoram mais passam. Os dias infinitos chegam ao fim, o abraço chega carregado de uma leveza extrema. As lágrimas voltam, mas dessa vez são de alegria, com o desejo de que alguns dias durem eternamente.

Tem saudade que não cabe em uma gaveta, quem dera a gaveta guardasse todas as saudades que se passam em uma vida. Que guardassem a tristeza, junto dela a solidão.

Sorte a nossa que existe o coração que purifica, que acalma, e nos faz reviver quando a alma chora.

Por quantas vezes as manhãs pareceram mais escuras do que as noites mais sombrias, e o coração fez transcender o que a alma estava impossibilitada de ver.

O coração guarda a saudade que as mãos não podem segurar, o coração segura a aflição de não se acalmar, quando a saudade vem, ah, meu bem, eu penso em nós.

E mesmo com a saudade você faz presente por onde eu for.

1 2 3 84